Estudos dos anos 80 apontam que a Fosfoetanolamina promove crescimento de células cancerígenas

Imagem de capa: Extraída da internet, autor desconhecido. Encontrada em Prosteste.org

Um dos episódios mais lamentáveis atualmente em andamento no brasil certamente é o circo que se vem promovendo em cima da fosfoetanolamina. A fosfoetanolamina é uma substância que ajuda a compor alguns lipídeos de membrana celular. A fosfo ganhou relevância recentemente após as alegações que possuiria atividade antitumoral em humanos – alegações essas, porém, que ainda não foram suportadas cientificamente.

Apesar disso, a droga atingiu o status de “substância milagrosa” devido à vergonhosa e sensacionalista cobertura que recebeu na mídia, e à ignorância científica da população, que não compreende a importância da rigidez do método científico. A administração indiscriminada da fosfoetanolamina antes de sua eficácia e segurança serem confirmadas pode ter consequências catastróficas para toda a população.

Por exemplo, chegou ao conhecimento de nossa equipe dois antigos artigos que relatam justamente o contrário do que o imaginário popular espera: Que a fosfoetanolamina promoveu o câncer mamário

Ambos são da mesma autora, Tamiko Kano-Sueoka. Tamiko e sua equipe estavam investigando meios de cultura para células cancerígenas, para possibilitar o seu estudo em maiores detalhes sem tanta dependência de modelos vivos. Eles haviam percebido em seus testes que extrato de glândula pituitária bovina era capaz de estimular o crescimento de células cancerígenas, mas não sabiam o porquê. Realizaram o experimento e purificaram o fator que estava promovendo este crescimento, e era a fosfoetanolamina.

Um segundo trabalho explicou o motivo: A fosfoetanolamina é uma precursora de Fosfatidiletanolamina, que compõe parte da membrana celular. Logo, se as células tumorais tiverem acesso à fosfoetanolamina, elas poderão sintetizar Fosfatidiletanolamina e crescer – é o equivalente a dar tijolos para um pedreiro poder construir sua parede.

A Membrana Celular é uma estrutura que separa os meios intra e extra-celular de uma célula. É composta de lipídeos e proteínas. A fosfoetalonamina é precursora de alguns lipídeos específicos. (Imagem: Retirada da internet, autor desconhecido)

É importante entender que não estamos batendo o martelo na questão – a ciência não funciona assim. Um estudo de 2012 apontou ações anti-tumorais benéficas para a fosfo, possivelmente através da ativação de vias de morte celular devido à alterações mitocondriais. E esse estudo, da mesma forma, não conclui de forma definitiva o debate.

A importância do respeito ao método científico é que ele policia suas próprias falhas. É importante saber, com certeza absoluta, se a fosfo combate o câncer. Mais do que isso, é importante estudar se a fosfo é capaz de combater o câncer sem causar efeitos colaterais igualmente danosos no paciente. É importante saber se ela não afeta células normais, em qual dose ela pode ser benéfica e qual dose ela pode ser maléfica, contra quais tipos de câncer ela é maléfica e contra quais ela pode ser benéfica. Tudo é possível. A fosfo pode sim ser a cura pro câncer. Ela também pode ser um composto perigosíssimo.

A única maneira de saber de verdade é deixar a ciência fazer o seu trabalho, com tempo e paciência – e não tentando passar leis para liberar o consumo da mesma pelo público, fomentando ainda mais a ignorância e o misticismo que se criou a respeito da mesma.

Agradecimento especial: Maciel Vieira, por nos trazer essa informação.

 

Sobre o Autor - Lucas Rosa.png

Anúncios