Vencedores Nobel Física 2017

A Academia Real de Ciências da Suécia decidiu nesta manhã premiar o Nobel de Física 2017 para os cientistas Rainer Weiss, Barry C. Barish e Kip S. Thorne da colaboração LIGO/VIRGO “por contribuições decisivas para o detector LIGO e a observação das ondas gravitacionais”

Weiss receberá metade do prêmio de 9 milhões de Coroa sueca, ou mais de US$ 1,1 milhão, enquanto Thorne e Barish dividirão a outra metade.

Em 14 de setembro de 2015, as ondas gravitacionais foram observadas pela primeira vez. As ondas, previstas por Albert Einstein há cem anos, vieram de uma colisão entre dois buracos negros. Foram necessários 1,3 bilhões de anos para as ondas chegarem ao detector LIGO nos EUA.

O sinal apesar de extremamente fraco quando chegou à Terra, já prometia uma revolução na astrofísica. As ondas gravitacionais são uma maneira totalmente nova de observar os eventos mais violentos no espaço e testar os limites do nosso conhecimento.

O LIGO, o Observatório de Ondas Gravitacionais por Interferômetro Laser do inglês Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory, é um projeto colaborativo com mais de mil pesquisadores de mais de vinte países. Os Prêmios Nobel de 2017, com seu entusiasmo e determinação, foram inestimáveis ​​para o sucesso da LIGO. Os pioneiros Rainer Weiss e Kip S. Thorne, juntamente com Barry C. Barish, cientista e líder do projeto, garantiram que quatro décadas de esforço resultaram nas ondas gravitacionais serem observadas.

Em meados da década de 1970, Rainer Weiss já havia analisado possíveis fontes de ruído de fundo que perturbariam medidas e também projetou um detector, um interferômetro a laser, que superaria esse ruído das medidas. No começo, tanto Kip Thorne quanto Rainer Weiss estavam firmemente convencidos de que as ondas gravitacionais podiam ser detectadas e provocariam uma revolução no nosso conhecimento do universo.

As ondas gravitacionais se espalham à velocidade da luz, preenchendo o universo, como Albert Einstein descreveu em sua teoria geral da relatividade. Elas sempre são criadas quando uma massa acelera, analogamente como quando um patinador faz piruetas no gelo ou um par de buracos negros rodam um no outro. Einstein estava convencido de que nunca seria possível mensurá-las. A realização do projeto LIGO foi usar um par de interferômetros laser gigantes para medir uma mudança milhares de vezes menor do que um núcleo atômico, quando a onda gravitacional passou pela Terra.

Até agora, todos os tipos de radiação e partículas eletromagnéticas, como os raios cósmicos ou os neutrinos, foram utilizados para explorar o universo. No entanto, as ondas gravitacionais são testemunho direto de são ondulações na curvatura do espaço-tempo em si. Isso é algo completamente novo e diferente, abrindo mundos invisíveis. Muitas descobertas aguardam.

 

Sobre o Autor - Mário

Anúncios