Novas evidências para uma história rica de água em Marte

Imagem de Capa: NASA Jet Propulsion Laboratory, U.S. Geological Survey

Marte pode ter sido um lugar mais úmido do que se pensava, de acordo com pesquisa sobre simulada em meteoritos marcianos conduzidos, em parte, no Departamento de Energia Lawrence Berkeley National Laboratory. O laboratório possui notória fama no mundo da química pela descoberta de inúmeros elementos químicos da tabela periódica.

Em um estudo publicado nesta semana na revista Nature Communications, os pesquisadores encontraram evidências de que um mineral encontrado em meteoritos marcianos – que tinha sido considerado como prova de um antigo ambiente seco em Marte – pode ter sido originalmente um mineral contendo hidrogênio que poderia indicar Uma história mais rica em água para o Planeta Vermelho.

Cientistas da Universidade de Nevada Las Vegas (UNLV) que lideram uma equipe de pesquisa internacional no estudo, criaram uma versão sintética de um mineral contendo hidrogênio chamado de whitlockite.

Após experiências com compressão de choque em amostras de whitlockite simulando as condições de choques de meteoritos em Marte, os pesquisadores estudaram sua composição microscópica com experimentos de raios-X na Advanced Light Source (ALS) do Laboratório de Berkeley e na Advanced Photon Source (APA) de Argonne National Laboratory.

Os experimentos com raios-X mostraram que a whitlockite pode se desidratar após tais choques, formando merrillite, um mineral que é comumente encontrado em meteoritos marcianos, mas não ocorre naturalmente na Terra.

Como isso os pesquisadores acreditam que as reservas do mineral whitlockite podem ter desaparecido de Marte por causa de colisão em Marte que “espremeu” toda a água do whitlockite e o transformou em merrillite.

Se até mesmo apenas uma parte de merrillite tenha sido whitlockite antes, muda drasticamente a quantidade de água de Marte que os cientistas acreditavam existir. E já que whitlockite pode ser dissolvido na água e contém fósforo, um elemento essencial para a vida na terra – e o merrillite parece ser comum a muitos meteoritos marcianos – o estudo poderia igualmente ter implicações para a possibilidade da vida em Marte.

Há também muitas evidências de que a água líquida flui ainda hoje em Marte, embora ainda não haja provas científicas de que a vida tenha existido em Marte. Em 2013, cientistas planetários relataram que traços escuros que aparecem nas inclinações marcianas estão provavelmente relacionados aos fluxos periódicos da água resultando das temperaturas em mudança.

Fonte: EurekAlert

Sobre o Autor - Mário

Anúncios