Cientistas podem ter produzido composto único no universo

Imagem de capa: Autor desconhecido, extraído de Virginia Tech

Em outubro do ano passado, o físico da Universidade de Harvard, Isaac Silvera, convidou alguns colegas para irem a seu laboratório para vislumbrar algo que talvez não exista em nenhum outro lugar do universo. Ao longo do dia, centenas aglomeraram para examinar através de um microscópio de bancada um ponto de prata avermelhado preso entre duas pontas de diamante.

082016_hydrogen_graph_free

Diagrama de fases para o hidrogênio e sua possível mudança para metálico sob muita pressão (Credito I.F. Silveira/Harvard University)

Essa excitação toda é porque ao pressionar o hidrogênio em pressões muito além daquelas no centro da Terra Silvera e seu pós-doutor Ranga Dias tinham visto uma sugestão de que ela se transformaria em um metal sólido capaz de conduzir eletricidade. “Se é verdade, seria fantástico”, diz Reinhard Boehler, físico da Instituição Carnegie para a Ciência em Washington, DC “Isso é algo que nós, como comunidade, temos pressionado por décadas”.

O hidrogênio metálico sólido acredita-se que seja um supercondutor, capaz de conduzir eletricidade sem resistência. Pode até ser metaestável, o que significa que, como o diamante que também é formado a altas pressões, o hidrogênio metálico manteria seu estado – e até mesmo sua supercondutividade – uma vez trazido de volta às temperaturas ambiente e às pressões.

O feito foi relatado on-line no periódico Science. O hidrogênio metálico na sua forma sólida, sugerem os cientistas, poderia ser um supercondutor: um material que permite que elétrons fluam através dele sem esforço, sem perda de energia. Todos os supercondutores conhecidos funcionam apenas a temperaturas extremamente baixas, um grande inconveniente. Os teóricos suspeitam que o hidrogênio metálico pode até ser metaestável, o que significa que, como o diamante que também é formado a altas pressões, o hidrogênio metálico manteria seu estado – e até mesmo sua supercondutividade – uma vez trazido de volta às temperaturas ambiente e às pressões. Ofereceria enormes economias de energia e grandes melhorias na transmissão e armazenamento de energia.

Silvera e Dias admitem que sua mancha de prata avermelhada pode ser um líquido em vez de um sólido. Mas eles estão confiantes de que é um metal – uma afirmação “muito convincente”, diz Neil Ashcroft, físico da Universidade de Cornell que previu o estado supercondutor do hidrogênio há quase 50 anos.

Eremets e outros dizem que precisam de mais prova de que a equipe criou um metal sólido ou até mesmo um metal. “Vemos apenas uma experiência, ela deve ser reproduzida”, diz Eremets.

Silvera diz que eles têm apenas uma experiência para relatar porque queriam anunciar seu resultado antes de executar mais testes que poderiam quebrar seu torno. Logo, ele diz, planejam executar testes de laser adicionais que devem revelar se a amostra tem a estrutura atômica regular esperada de um metal sólido. Eventualmente eles vão desaparafusar e ver se o metal é metaestável.

Só nos resta aguardar os próximos “capítulos”.

Referência: Science

Sobre o Autor - Mário

Anúncios