Cientistas podem estar mais perto de regenerar tecido cardíaco

Imagem de capa: Autor desconhecido, extraído de Women’s Health Magazine

Alguns órgãos no organismo possuem capacidade de regeneração, como é o caso do fígado, permitindo que danos aos mesmos sejam minimizados ao longo do tempo. Infelizmente, porém, o coração não possui essa capacidade, o que torna infartos e outras formas de dano cardíaco tão sérios. Portanto, desenvolver pesquisas que possibilitem a regeneração de tecido cardíaco é de extrema importância. Felizmente, pesquisadores da University of Aberdeen realizaram um passo importante em seu trabalho, publicado na Stem Cell Reports.

O trabalho dos pesquisadores foi focado em estudar um mecanismo de comunicação entre células, a “conversa” de uma célula com outra, que é feita através de moléculas sinalizadoras. Estas moléculas, entre muitas outras funções, fazem parte do processo de maturação de uma célula tronco em uma célula diferenciada – ou seja, estas moléculas são importantes para “dizer” à uma célula tronco em qual tipo de célula ela deve se transformar.

No trabalho dos pesquisadores americanos, eles observaram o papel da molécula Wnt, monitorando como e quando estas moléculas são ativadas ou desativadas durante este processo de transformação celular. Com esse mecanismo esclarecido, existe a possibilidade de se desenvolver métodos terapêuticos para promover regeneração cardíaca – por exemplo, utilizando esta via de sinalização para promover a diferenciação de células tronco que ainda possam existir no coração.

Fonte: ABDN

Sobre o Autor - Lucas Rosa.png

Anúncios