Esqueça tudo que você aprendeu: o Carbono pode fazer 6 ligações

Imagem de capa: Autor desconhecido, extraída da internet

Pode rasgar seu velho livro de química. Por que? Uma molécula de carbono em forma de pirâmide contradiz uma das lições básicas de química que aprendemos na escola. Ela contém um átomo de carbono que se liga a seis outros átomos em vez dos quatro que nos foi dito.

Átomos como o carbono (C) formam moléculas compartilhando elétrons. O carbono tem quatro elétrons que podem ser compartilhados com outros átomos. Entretanto em certas condições, o carbono pode ser esticado além desse limite, diz Moritz Malischewski, um químico da Universidade Livre de Berlim que sintetizou e estudou a molécula, um cátion na verdade, chamada hexametilbenzeno, C6(CH3)62+.

quatro-carbonos-2

Molécula de Hexametilbenzeno, com o Carbono fazendo 6 ligações

Tipicamente, este composto se assemelha a um leme de navio, consistindo de seis átomos de carbono dispostos em um anel hexagonal, com “braços” de átomo de carbono extra na borda externa do anel. Porém, em um experimento em 1973, os químicos alemães retiraram dois dos elétrons do composto, e a evidência sugeriu que a versão positivamente carregada então colapsaria sobre si e formaria uma pirâmide. Nesta disposição, há seis elétrons disponíveis para conectar o topo da pirâmide para os cinco carbonos no resto do anel e o braço extra, Malischewski diz. Mas ninguém tinha verificado a forma da molécula, até agora.

Essa forma, no entanto, é um arranjo incomum e instável que só é possível em baixas temperaturas dentro de líquidos extremamente ácidos. Assim Malischewski passou seis meses trabalhando com um ácido potente para produzir o composto e derivar alguns miligramas de cristais que poderiam então ser vistos usando raios-X.

Em temperatura e umidade normais, a molécula quebraria imediatamente, assim seria improvável obter aplicações práticas, tais como produzir tipos novos de nanotubes do carbono para a molécula.

Mas Malischewski diz que ficou intrigado com a questão de saber se a molécula poderia existir. “É tudo sobre o desafio e a possibilidade de surpreender os químicos sobre o que pode ser possível”, diz ele.

Fonte: Chemical&Engineering News

Sobre o Autor - Mário

Anúncios