Videogames podem fazer bem para o cérebro de idosos

Ajude o Mural Científico comprando na Amazon! Selecionamos livros e outras ofertas especialmente para você, basta clicar nas imagens abaixo:


Traduzido de de Neuroscience News

Se você tem entre 55 e 75 anos, você pode querer jogar jogos de plataforma 3D como Super Mario 64 para evitar déficits cognitivos e talvez até mesmo prevenir o Alzheimer: esse foi o achado de um estudo conduzido pelos professores Universidade de Montréal Gregory West, Sylvie Belleville e Isabelle Peretz. Publicado no periódico PLOS ONE, o estudo foi feito em cooperação com o Instituto Universitário de Geriatria de Montréal(IUGM), Benjamin Rich Zendel da Memorial University de Newfoundland, e Véronique Bohbot do Montréal’s Douglas Hospital Research Centre.

Em dois estudos separados, de 2014 e 2017, jovens adultos jogaram jogos 3D que envolvessem lógica e quebra-cabeças em plataforma como Super Mario 64. Os resultados mostraram que a massa cinzenta do hipocampo aumentou após o treinamento.

O hipocampo é uma região do cérebro primariamente associada com memória espacial e episódica, fatores-chave para a saúde cognitiva de longo prazo. A massa cinzenta do hipocampo age como um marcador para desordens neurológicas que podem ocorrer com o tempo, incluindo déficit cognitivo e Alzheimer.

West e seus colegas queriam ver se seus resultados podiam ser replicados entre idosos saudáveis.

A equipe de pesquisa recrutou 33 pessoas, com idade entre 55 e 75 anos, que foram aleatoriamente designados para três grupos separados. Os participantes foram instruídos a jogar Super Mario 64 por 30 minutos por dia, cinco dias por semana, a fazer aulas de piano(pela primeira vez na vida) com a mesma frequência, ou não fazer qualquer tarefa em particular.

O experimento durou seis meses e foi conduzido nos lares dos participantes, onde consoles e pianos, providenciados pelo time de West, foram instalados.

Os pesquisadores avaliaram os efeitos do experimento ao começo e ao fim dos exercícios, seis meses depois, usando dois diferentes métodos de medida: testes de performance cognitiva e imageamento por ressonância magnética(MRI) para verificar variações no volume de massa cinzenta. Isso os permitiu observar a atividade cerebral e quaisquer mudanças em três áreas:

  • O córtex pré-frontal dorsolateral, que controla planejamento, tomada de decisão e inibição;
  • O cerebelo, que tem um papel importante no controle motor e equilíbrio
  • O hipocampo, o centro da memória espacial e episódica.

De acordo com os resultados de MRI, apenas os participantes do grupo que jogou Super Mario 64 apresentaram aumento no volume de massa cinzenta no hipocampo e no cerebelo. A memória de curto prazo também foi aprimorada.

O teste também revela aumento de massa cinzenta no córtex pré-frontal dorsolateral e cerebelo de participantes que tiveram aulas de piano, enquanto houve atrofia em todas as três regiões do cérebro estudadas entre os participantes do grupo passivo.

Que mecanismo promove o aumento de massa cinzenta, especialmente no hipocampo, ao jogar videogames? “Jogos em 3D fazem com que o hipocampo crie um mapa cognitivo, ou representação mental, do ambiente virtual que está sendo explorado”, diz West. “Diversos estudos sugerem que a estimulação do hipocampo aumenta tanto a atividade funcional quanto a massa cinzenta dessa região”.

Reciprocamente, quando o cérebro não aprende novas coisas, a massa cinzenta atrofia-se enquanto as pessoas envelhecem. “A boa notícia é que podemos reverter esses efeitos e aumentar o volume aprendendo coisas novas, e jogos como Super Mario 64, que ativam o hipocampo, parecem mostrar um certo potencial para isso”, disse West. Bellevile completa: “Esses resultados também podem ser usados para direcionar pesquisas futuras em Alzheimer, já que existe uma ligação entre o volume do hipocampo e o risco de desenvolver essa doença”.

Referências:

Full open access research for “Playing Super Mario 64 increases hippocampal grey matter in older adults” by Greg L. West, Benjamin Rich Zendel, Kyoko Konishi, Jessica Benady-Chorney, Veronique D. Bohbot, Isabelle Peretz, and Sylvie Belleville in PLOS ONE. Published online December 6 2017 doi:10.1371/journal.pone.0187779

sobre-o-autor-gabriel-deschamps

Anúncios